Sem categoria

You are currently browsing the archive for the Sem categoria category.

Neste domingo, 03 de junho, mais um evento promocional embalou Muratuba, uma comunidade marcada pelo espírito esportivo.

A programação, coordenada pelo movimento indígena local, iniciou-se pela manhã com as vendas de cerveja, refrigerante, churrasco, etc. A partir das 4:00 horas da tarde as atenções estavam voltadas para a atração tão esperada dessa programação, o jogo de futebol entre as equipes de vasco e flamengo.

O tradicional clássico muratubense como em todo Brasil – o país do futebol – é marcado pelo seu alto indice de rivalidade. Por isso os melhores jogadores representam em campo seus respectivos times: vasco e flamengo.

Em um jogo bastante equilibrado, a seleção vascaína levou a melhor vencendo o jogo pelo placar de 3x2, em uma partida de emocinar cada torcedor que assistia o clássico.

É, no futebol é assim, alegria de uns e tristeza de outros. Porém, aqui em Muratuba o que está valendo é a organização dos comunitários no evento, nisso, todos foram vencedores!

Repórter: Fabrício do Carmo

Com sua experiência, Muratuba está conseguindo provar que as comunidades são capazes de administrar os trabalhos referentes à execução do programa Crédito habitação. O resultado desse desafio está sendo positivo, uma vez que, há um trabalho de parceria  com  a Tapajoara ( Organização das Associações Comunitárias da Reserva Extrativista Tapajós Arapiuns), que também vem fazendo o acompanhamento das obras juntamente com os agentes de fiscalização do INCRA. Atualmente 90% das 60 casas já foram construídas e entregues as famílias da comunidade.

A 8ª edição do Jornal comunitário Arte Vida, traz  alguns depoimentos de beneficiários, falando sobre o trabalho da comissão de execução do Crédito em Muratuba.

JAV: O que você acha do trabalho da comissão que está coordenando a construção das casas dos beneficiários do crédito Habitação na comunidade?

” No meu ponto de vista, acho muito positiva a  grande responsabilidade que a comissão tomou para si. Não deixou parar o trabalho, já foram entregues quase todas as casas, o pagamento dos pedreiros está sendo conforme a entrega das obras. Também temos a assistência dos agentes do Incra e do presidente da Tapajoara, que estão acompanhando o trabalho nas obras dos credenciados. Para mim, está sendo bem melhor de trabalhar com a comissão, do que com o construtor. Parabéns!” Luís Gonzaga Ferreira Fernandes, 51 anos, suplente do Conselho Fiscal da Associação ASMOCOM.

“Para mim, essa comissão está fazendo um excelente trabalho, pois faz o possível para resolver os problemas que surgem, também está se esforçando para apresentar aos comunitários um trabalho  de qualidade. Por isso a comissão está de Parabéns!” Neucilene Guedes da Silva, 24 anos, membro do grupo de Jovens JOBESP.


Jornal Comunitário Arte Vida, repórter Rosiveth Castro Fernandes

A comunidade de muratuba esteve recebendo no final da tarde dessa quinta-feira, 24 de setembro, a coordenadora da Educação Indígena da SEMED, Iara Ferreira acompanhada da direção do filme Tayná. A equipe visitante era composta por Cláudio Barros Diretor do filme, o cinegrafista Bira da TV Amazônia e Milton. o objetivo dessa visita é encontrar uma menina para fazer o papel da Tayná, a menina indicada será selecionada dentre outras, para participar do novo filme Tayná 3.

Diante de tantos desafios que a comunidade de Muratuba tem enfrentado, desta vez estamos começando a superar mais um deles. É isso mesmo, depois de tanta luta e tanta espera, hoje foram entregues as primeiras casas construídas com o recurso do Projeto Crédito Habitação. Para a Associação ASMOCOM, é um passo muito importante e positivo, porque dentro do município, é a primeira comunidade que se uniu e tomou para si essa responsabilidade. E com isso, é capaz de mostrar para as outras comunidades, que é possível administrar esse projeto. Segundo o representante do INCRA, o que era considerado um problema tornou-se agora um exemplo para outras comunidades,que estão esperando pelos construtores, uma vez que Muratuba, está trabalhando somente com o complemento do referido projeto. Para as famílias que já receberam sua casa, é um motivo de grande alegria, pois o sonho de ter uma casa mais confortável e com maior segurança, hoje está se tornando realidade, elas acreditam que vale apena lutar e confiar na força da organização comunitária.

Com o objetivo de estimular a criatividade dos alunos e professores das Escolas Índigenas do Pólo Santa Luzia, a Caravana de Arte Educadores em conjunto com a coordenação da Educação Índigena da SEMED estarão realizando oficinas de dança, teatro, artes plásticas e artesanato na comunidade de Muratuba nos dias 18 e 19 de setembro. Durante a programação teremos a participação das Escolas Índigenas das comunidades de Jaca, Paraná-Pixuna, Jauarituba, Santo Amaro, Mirixituba e Limãotuba. As atividades serão desenvolvidas com as crianças de 7 a 14 anos, Professores e Lideranças Índigenas. A comunidade escolar de Santa Luzia está se preparando pois, sabe que irá receber no mínimo 300 participantes no referido evento.

O problema da poluição ambiental não começou ontem. O homem produz dejetos e lixo há mais de 10 mil anos. Acontece que a situação passou a ficar muito pior a partir da Revolução Industrial.E o problema não é só poluição. Ao falar de Meio Ambiente temos que levar em conta questões sociais, culturais, éticas e políticas. É preciso dialogar sobre o nosso atual modelo de sociedade, de civilização e de desenvolvimento. Acredita-se que somente a informação ambiental não é suficiente, que o vínculo afetivo entre pessoa e ambiente também precisa ser trabalhado para que o processo de transformação dessa relação seja realmente completo e permanente.Para muita gente o assunto soa distante, como se a atitude de uma única pessoa não tivesse nada a ver com as catástrofes naturais. Mas o que você faz no seu dia- a-dia pode sim causar muitos estragos.Existem ações cotidianas, concretas e voluntárias de consumo consciente que permitem a contribuição de qualquer pessoa para apreservação do meio ambiente e para a melhoria da qualidade de vida de todos. Tem muita coisa simples que pode ser feita para colaborar com a conservação ambiental. Por exemplo: evitar o plástico usando sacolas de pano para carregar as compras, fechar a torneira enquanto estiver escovando os dentes, resistir aos apelos da moda e sempre que possível, rejeitar tudo o que for descartável.
A situação é grave. Exige atitudes pessoais. Um primeiro passo é perceber qual o impacto ambiental dos nossos hábitos?

Queria poder imaginar a vida sem um amigo, cultivar a alegria que ele proporciona…..Direpente deu vontade de um ABRAÇO…uma vontade de proximidade, de amizade, sei lá…Aproxime-se mais e tente sentir do que um ABRAÇO  é capaz. Quando bem apertado: ele ampara tristezas; sustenta lágrimas; combate incertezas; e é até capaz de amenizar medo. Se for cheio de ternura: ele guarda segredos e jura cumplicidade…Independente do tipo de abraço; ABRAÇA que é bom; ABRAÇA que é gostoso, abraçar protege a saúde, retarda o envelhecimento e aquece o coração. É engraçado como um simples abraço faz-nos sentir bem, não?

E você , já deu  seu ABRAÇO hoje?

Para começar quero dizer que o grupo de jovens de Muratuba, tem uma grande parceria com o saúde & alegria, enclusive no desemvolvimento do grupo. Desde o funcionamento do grupo na comunidade,a equipe do Saúde e Alegria , vem ajudando o grupo de jovens de muratuba a conquistar coisa importante pra dentro da comunidade. Além de conquistar , o saúde e alegria, junto com o grupo de jovens de Muratuba , vem desenvolvendo capacitação junto com os monitores e não monitores; que vem sendo um sucesso.

Apesar disso, não ser a última coisa que o grupo de jovens desemvolva dentro da comunidade, mas tenho certeza que virá muito mais, que será importante para todos. A cada ano que passa o grupo de jovens cresce ainda mais com esperanças de conquistar mais coisas boas. Enquanto isso, esperamos coisas boas que virão pela frente.

REPORTERES: ILEANS ERICK RODRIGUES DOS SANTOS

EMANOEL ABRAÃO RODRIQUES SILVA

A Rádio Raio de Sol da comunidade de Muratuba mudou o seu hoŕario de programação. A programação que geralmente vinha funcionando da seguinte forma, a rádio  entrava ao ar pela parte da noite e levava os programas das 7:30 às 8:15 e atualmente os programas vão ao ar mas cedo, das 6:00 às 6:45 da noite e pela parte da manhã  a rádio vai ao ar das 5:30 ás 6:30 levando os programas de domingo à sábado. O horário de programação foi mudado em reunião comunitária.

A tão esperada e comemorada festa de Santa Luzia, que realizou-se no período de 05 a 13 de dezembro de 2008, foi um sucesso. Foram 9 dias de festa na comunidade, no último dia, a festa foi ainda maior, com a participação de pessoas das comunidades vizinhas e de outros lugares mas distantes.

Foi uma uma festa bem partcipada, contribuída e organizada, mais alguns detalhes ainda precisam melhorar cada vez mas, e diante disso, a produção do Jornal Arte Vida, ouviu alguns depoimentos dos comunitários que participaram e ajudaram na organização da festa.

JAV: Durante as festividades de Santa Luzia, quais foram os pontos positivos e negativos observados?

“O que eu achei positivo, foi a responsabilidade da maioria das pessoas que trabalharam e ajudaram. E como negativo, foi não participação de algumas pessoas na organização”. Ana Lúcia Rodrigues, 36 anos, coordenadora do Grupo de mulheres.

” Como positivo, achei que foi a participação das comunidades vizinhas e também da coordenação da festa, que está de parabéns, por assumir com responsabilidade esse trabalho”. Manoel Océlio da Silva, 37 anos, vigia da Escola Santa Luzia.

” Como positivo a participação das entidades da comunidade que contribuiram na realização da festa e também o vigário padre Sidney Canto, que com seu esforço, mas uma vez trouxe para nossa comunidade a Orquestra Sinfônica Wilson Fonseca e a equipe da Paróquia de Aparecida. Negativos, mas a particpação de alguns comunitários”. Luiz Gonzaga Ferreira, 47 anos, Vice- Presidente da Associação de moradores da comunidade de Muratuba ( ASMOCOM)

Jornal; Arte Vida, Muratuba, 12ª ed.

Repóter: Ádria Fernandes da Silva

Newer entries »